História da PSN

História da PSN

Ambição e variedade de objetivos (1930-1960)

Presidência de Manuel Bermejillo.


Apesar do início difícil, especialmente no período da Guerra Civil, a Previsión Médica Nacional consolida-se como mutualidade graças a uma saudável ambição de serviço e a uma ampla variedade de objetivos.

A gestão prolongada do presidente Manuel Bermejillo permite à Entidade atrair novos profissionais de saúde – daí a alteração da designação para Previsión Sanitaria Nacional – e criar novos produtos e linhas de atividade para cobrir qualquer contingência que possa preocupar os seus mutualistas.
Pouco mais de três meses após a aprovação dos novos estatutos da Organización Médica Colegial, que abriam a porta para a criação de uma entidade «que cobrisse os riscos de profissionais inválidos, as suas viúvas e os seus órfãos», o Ministério do Governo aprova o regulamento, a constituição e o funcionamento da Previsión Médica Nacional (PMN). O dia fica gravado para a história: 9 de maio de 1930. O nove também aparece noutra circunstância a recordar: este é o número da rua Calle Licenciado Cascales, em Múrcia, onde se encontra a primeira sede social da nova Entidade.

O regulamento, numa demonstração de ambição, que posteriormente se tornará realidade, estabelece como objetivo remoto da PMN «abranger todos os aspetos da assistência, com a garantia máxima da mais poderosa companhia de seguros e as evidentes vantagens de economia e equidade de uma mútua». A aspiração é então ousada, dado que a PMN inicia as suas atividades com apenas duas secções – invalidez e vida – e quatro tipos de associados – fundadores, numerários, protetores e honorários. As quotas iniciais são igualmente modestas: dez cêntimos para invalidez e cinco pesetas para vida, através de assinaturas mensais.
 

O primeiro Conselho de Administração:

 

Presidente D. José Pérez Mateos
Secretario Tesoureiro D. José Egea
Vogais D. Lorenzo García Tornel
D. Juan de la Rosa
D. Dacio Crespo
D. Juan Cogollos
D. José Luis Durán
D. Nicasio Cimas
D. José Lomas
D. Manuel Pardo
D. Victoriano Juaristi
D. Manuel Iñigo

 

Os oito primeiros vogais reúnem-se a 6 de julho de 1930, na primeira sessão do órgão de gestão, que conta com a presença extraordinária de José Alberto Palanca, diretor-geral da Saúde, que pronuncia palavras de louvor pela constituição da PMN e, em especial, alude ao trabalho realizado por Pérez Mateos como seu principal promotor. O Conselho aceita os pedidos de médicos recebidos até à data e propõe-se estudar os EL IMPULSOR. Presidente José Pérez Mateos processos para formalizar as primeiras colocações na PMN. Palanca, também médico, é reconhecido como o primeiro mutualista. Menos de meio ano mais tarde, a PMN atinge os cinco mil associados.

O primeiro subsídio pago pela PMN ocorreu após a morte, a 2 de janeiro de 1931, de Jaime Llopis, mutualista de Sagunto (Valência) que se tinha juntado à Entidade em outubro de 1930, pagando 108 pesetas a título de quota de inscrição e depósito reembolsável. A 17 de fevereiro, a viúva assina o recibo do subsídio, naquilo que constitui o primeiro exemplo da essência da PMN: cobrir o presente para assegurar o futuro.

«A que se deve este facto improvável?» , questionam-se entusiasmados os promotores da Entidade. «Aos milagres do mutualismo, da união entusiasta. A PMN não é apenas um trabalho grande, mas um exemplo vivo de que os médicos podem, quando querem, resolver brilhantemente os seus problemas».

O sucesso da iniciativa chamou a atenção de outros profissionais de saúde como farmacêuticos, veterinários e dentistas. Em junho de 1932, a Assembleia da PMN abre as portas com razões solenes: «Deveriam existir há muito tempo – é lamentável que não tenha sido feito antes – laços de afeto e uma união inabalável entre essas comunidades para o bem da saúde pública e em benefício dos profissionais de saúde espanhóis». Um ano mais tarde, um despacho ministerial permite o acesso facultativo a dentistas e farmacêuticos. Mas a plena integração ainda teria de aguardar alguns anos.

A Guerra Civil leva a Previsión Médica Nacional à sua divisão, como acontece com todo o país. Os serviços centrais ficam na zona republicana, em Múrcia, sob a responsabilidade de um autoproclamado Conselho Provisório de Apreensão e Administração, que realiza a sua primeira reunião no dia 12 de setembro de 1936 e na qual são tomadas decisões mais técnicas, sobre a atividade própria da Entidade, do que políticas – como é de se esperar nos difíceis dias que correm. O Conselho é presidido por José Torre.

Precisa de ajuda?