História da PSN

História da PSN

Adaptação controversa (1960-1977)

San Juan ou a conclusão da aposta imobiliária.


A política imobiliária da PSN assiste nestes anos a um notável desenvolvimento, sobretudo com a construção da Residência de San Juan. Localizada no solar El Romero, adquirida em 1958 por cerca de 3 milhões de pesetas, a Residência era inicialmente destinada a reformados. Finalmente, o centro construído, concluído em abril de 1965, é de caráter geral, com 96 quartos e capacidade para 191 pessoas. Em outubro de 1968 é concebido no mesmo solar um outro edifício, que foi concluído em 1972. A Residência começa a despertar a simpatia e o interesse dos mutualistas quase desde o início e torna-se um dos melhores serviços prestados pela PSN. Paralelamente, a Entidade continua a colaborar com as ordens na construção de novos edifícios que estas possam utilizar como sedes e na promoção de habitação para venda para os mutualistas.

As referidas dificuldades não passam do reflexo de um certo sobreaquecimento na sua trajetória mútua, alimentado pela acelerada dinâmica socioeconómica que Espanha vive nesta década. As pensões e os benefícios perdem poder de compra; a administração da Entidade parece ultrapassada e as coberturas não respondem as novas expectativas dos mutualistas. A situação não passa despercebida pelas ordens, que decidem tomar o assunto em mãos e promovem a substituição da Presidência da PSN: Lazcano deixa o seu cargo a Manuel Morales, presidente da AMA, que une na sua pessoa a direção das duas companhias. É fevereiro de 1966.
Na Assembleia desse ano, o relatório do Conselho aponta claramente para uma mudança de cena, caracterizada pelo restabelecimento do diálogo com os mutualistas e as ordens e a busca da unidade de ação, porque «numa mutualidade profissional, o egoísmo não é admissível». Sem desqualificar o trabalho do presidente Lazcano, parece evidente que a chegada de Morales constitui uma recuperação da situação instável da PSN. A transformação é conduzida pelas ordens que, apesar das críticas de alguns mutualistas, atuam em conformidade com os estatutos.

Morales retrata a PSN em público ao ordenar a realização de um estudo global, atuarial, técnico e administrativo com propostas de mudança a serem divulgadas a todos os mutualistas em particular e ao setor da saúde em geral. Entretanto, está a ser concluída a reestruturação das secções de Doença, Invalidez, Velhice e Vida.

O revolucionário Morales é interrompido repentinamente. O presidente morre em setembro de 1969, pouco mais de três anos após a sua nomeação. Os problemas pendentes com Lazcano continuam em aberto, identificados pelas ordens e amplificados por alguns mutualistas, que não estão satisfeitos com o desenvolvimento de algumas promoções imobiliárias. Regresso ao ponto de partida na reflexão comum sobre o futuro.

A 16 de novembro de 1970, Alfonso de la Fuente, presidente do Conselho Geral das Ordens de Médicos, assume a presidência da PSN com o objetivo principal de «estudar a reforma estrutural e regulamentar dos seus estatutos e regulamentos». Com efeito, afirma que o seu cargo é transitório.

Tal como há alguns anos, as ordens voltavam a intervir na vida interna da PSN, mas desta vez de uma forma mais direta e decidida. A primeira decisão de De la Fuente não deixa margem para dúvidas quanto ao seu propósito regenerador: solicitar ao Instituto de Revisores Oficiais de Contas um relatório técnico sobre a situação financeira e contabilística da Entidade.

Transitório, mas decisivo. Alfonso de la Fuente assumiu o cargo de presidente da PSN com a certeza de que a sua passagem pela direção da Entidade seria transitória. Impôs-se como tarefa principal aprovar novos estatutos e conseguiu concretizá-los. O seu foi um contributo fundamental para a modernização da Entidade.

Precisa de ajuda?